Inovação em Redes: o caso da Incubadora de Empresas de Jundiaí

Daniele Guimarães de Castro Nery, Victor Silva Corrêa, Rosileine Mendonça Lima, Ernesto Michelangelo Giglio

Resumo


Objetivo: Este artigo busca investigar a associação entre a influência da confiança e do comprometimento à indução da cooperação. Analisa, a partir daí, a repercussão da cooperação inovações em uma rede incubadora.

Teorias: Duas abordagens teóricas fundamentais integram o estudo. A primeira se associa aos estudos das redes e reflete sobre os conceitos de confiança, comprometimento e cooperação. A segunda se relaciona à inovação e a influência da cooperação. 

Método: O método empregado foi o estudo de caso único. O instrumento de coleta de evidências principal foi a entrevista semiestruturada em profundidade. Cinco indivíduos compuseram as Unidades de Observação. A análise dos dados se baseou na generalização analítica, em que os dados foram extrapolados à literatura-base.

Resultados: Dados empíricos permitem concluir que confiança e comprometimento são indutores da cooperação, ratificando estudos anteriores. Mais ainda, dados sugerem que a confiança e o comprometimento antecedem e promovem o surgimento de ações cooperadas. Finalmente, evidências permitem concluir que a cooperação impulsiona inovações na rede.

Contribuições teóricas/ metodológicas: Este artigo permite importantes contribuições. A primeira se relaciona à própria associação teórica da confiança e do comprometimento enquanto indutores da cooperação. A segunda contribuição, por sua vez, associa-se à identificação, aqui realizada, da cooperação como elemento fundamental à geração de inovação em rede. Ao fazer isto, este artigo corrobora e ampliar literatura da área, ainda hoje em evolução.

Contribuições gerenciais/ sociais: Este artigo permite, empiricamente, projetar luzes para dimensões relacionais que impactam a sobrevivência e desenvolvimento de incubadoras de empresas.

Palavras-chave: Redes. Cooperação. Confiança. Comprometimento. Inovação. Incubadora.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Abinajm, J. Filho, Faria, A. C. de, & Martins, D. M., & Serio, L. C. D. (2012). Confiança, Comprometimento e Compartilhamento de Informações na Cadeia de Suprimentos Automotiva: Percepção das Autopeças sobre Montadoras de Diversas Etnias. Anais – SIMPOI- Simpósio da Administração da Produção e Operações Internacionais, São Paulo.

Almeida, D. M., & Junges, I. (2016). Proposta de um Modelo de Identificação da Inovação Tecnológica para a Utilização de Incentivos Fiscais: Um Estudo em uma Indústria de Eletroeletrônicos Sul Brasileira. Revista Catarinense de Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, v.15, n.44, pp. 49-59, jan./abr.

Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores – ANPROTEC (2016). Estudo de Impacto Econômico: Segmento de Incubadoras de Empresas do Brasil: 2016. Brasília, DF.

Audy, J. (2017). Inovação, o desenvolvimento e o papel da universidade. Estudos Avançados: Universidade de São Paulo, v.31, n.90, pp.75-87.

Barbosa, A. R. Jr., & Gonçalves, C. A. (2018). Os fatores determinantes da inovação disruptiva. Revista Ciências Administrativas, v.24, n.1, p.1-13, jan./abr.

Bebber, S., Graciola, A. P, Souza, A. V. O. de, Olea, P. M., Dorin, E. C. H, & Nodari, C. H. (2016). Inovação Como Estratégia de Diferenciação. Produção de Vinho Kosher no Vale dos Vinhedos. Desenvolvimento em Questão, v.14, n.37, Edição Especial, pp. 202-230.

Bertosso, H., Ebert, P. N. P., & Laimer, C. G. (2017). O Papel da Confiança nas Redes Interorganizacionais: Evidência Empírica em Rede de Fornecedores. Desenvolvimento em Questão, v.15, n.41, pp. 303-334, out./dez.

Cândido, G. A., & Abreu, A. F. (2000). Os conceitos de redes e as relações interorganizacionais: um estudo exploratório. In: Anais de Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Gradução em Administração, Florianópolis: ANPAD, 2000, 24, pp. 1-15.

Carvalho, J. F. de, Wegner, D., Begnis, H. S. M., & Antunes, J. A. V. Jr. (2018). A cooperação entre redes de pequenas empresas: antecedentes, etapas e resultados da estratégia de intercooperação. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v.7, n.1, pp. 35-70, jan./abr.

Carvalho, N., Zanquetto, H. Filho, & OLIVEIRA, M. P. V. de. (2018). Confiança Interorganizacional e Cooperação em Habitats de Inovação. Revista Gestão & Tecnologia, v.18, n.1, pp. 88-114.

Castells, M. (2000). A sociedade em rede. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra.

Chesbrough, H. (2006). Open business models: how to thrive in the new innovation landscape. Boston: Harvard Business School Press.

Costa, F. M., & Bastos, A. V. B. (2013). Transformações em organizações de fruticultura irrigada e a dinâmica do comprometimento organizacional. REAd. Revista Eletrônica de Administração, v.19, n.3, pp. 675-708, set./dez.

Costa, R. S., Silva, E. D. & Nogueira, D. P. (2016). Ações de cooperação, aprendizagem e estratégias organizacionais em redes interorganizacionais: Estudo nos arranjos produtivos locais (APL) de software do Paraná. RECADM. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 15, n. 3, pp. 189-208, set./dez.

D’Arruda, A. C., Arruda, M. C., Almeida, L. F., & Giglio, E. M. (2017). Dominância de tipos de comprometimento em distintas redes. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v.11, n.5, pp .85-102, out./dez.

Dias, M. C. (2018). Inovação, aprendizagem e cooperação na cadeia de suprimento têxtil da região de Americana/SP. Gestão & Regionalidade, v. 34, n.100, p.127-144, jan./abr.

Engelman, R., & Fracasso, E. M. (2013). Contribuição das incubadoras tecnológicas na internacionalização das empresas incubadas. Revista de Administração-RAUSP, v.48, n.1, pp. 165-178.

Fiates, G. G. S., Martins, C., Fiates, J. E. A., Martignago, G., & Santos, N. dos. (2013). Análise do papel da incubadora na internacionalização de empresas de base tecnológica, incubadas e graduadas. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v.6, n.1, pp. 252-274.

Freel, M. S., & Harrison, R. T. (2006). Innovation and Cooperation in the Small Firm Sector: Evidence from Northern Britain. Regional Studies, v.40, n.4, pp. 289–305, jun.

Genoino, R. K., & Siqueira, J. P. L. de. (2017). O comprometimento organizacional, a qualidade técnica e o tempo na equipe como antecedentes da centralidade dos atletas nas redes de confiança de equipes esportivas. CONTEXTUS - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, v.15, n.2, pp. 86-119, mai./ago.

Giglio, E. M., Rimoli, C. A., & Silva, R. S. (2008). Reflexões sobre os fatores relevantes no nascimento e no crescimento de Redes de Negócios na Agropecuária. Organizações Rurais & Agroindustriais, v.10, n.2, pp. 279-292.

Gil, A. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas.

Godoy, A. C. (1995). A pesquisa qualitativa e sua utilização em administração de Empresas. Revista de Administração de Empresas. v.35, n.4, pp. 65-71, jul./ago.

Gollo, S. S., Silva, A. F. da, Predebon, E. A., Kolcenti, C., & Balen, D. (2011). Rede de Cooperação Interorganizacional: Estudo de Caso de uma Rede Metal-Mecânica no Rio Grande do Sul. V Encontro de Estudos em Estratégia. Porto Alegre/RS, mai.

Goraczkwska, J. (2017). Technical advancement and the stimulation of companies’ innovation activity by business support organizations in developed regions. Ekonomia i Prawo, v.16, n.1, pp. 21-33, mar.

Hackett, S. M., & Dilts, D. (2004). A systematic review of business incubation research. Journal of Technology Transfer, v.29, n.1, pp. 55-82.

Klein, L. L., Pereira, B. A. D., & Quatrin, D. R. (2014). A Formação, o Desenvolvimento e o Fortalecimento de Redes de Cooperação. Revista da Micro e Pequena Empresa, v.8, n.3, pp. 18-38.

Larentis, F., Antonello, C. S., Milan, G. S., & Toni, D. D. (2014.). Aprendizagem Organizacional e Relacionamentos Interorganizacionais: Um Estudo de Casos Múltiplos. BASE – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v.11, n.4, pp. 347-366, out./dez.

Lumpkin, J. R., & Ireland, R. (1988). Screening practices of new business incubators: the evaluation of critical success factors. American Journal of Small Business, v.12, n.4, pp. 59-81.

Manual de Oslo: Diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação. (2005). OCDE-Ministério da Ciência e Tecnologia. 3ª.ed.

Marchi, J. J., & Wittmann, M. L. (2008). Redes de Empresas: Uma Análise das Relações Entre Fatores Sócio Comportamentais e Desempenho Competitivo. REAd – Revista Eletrônica de Administração, v.14, n.2, pp. 364-390, mai./ago.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas.

Martins, D. M., Faria, A. C. de, Prearo, L. C. & Arruda, A. G. S. (2017). The level of influence of trust, commitment, cooperation and power in the interorganizational relationships of Brazilian credit cooperatives. RAUSP- Revista de Administração, v.52, n.1, pp. 47-58.

Martins, S. A. S., Velozo, C. R. M., & Giglio, E. M. (2016). Modelo Conceitual da Confiança e do Comprometimento como Bases de Sustentação e Desenvolvimento das Redes de Cooperativas. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, v.3, n.2, pp. 66-85, jan./abr.

Massaini, S. A., & Oliva, F. L. (2015). Redes de Inovação: A Contribuição de Parcerias para o Desempenho Inovador de Empresas da Indústria Elétrica Eletrônica Brasileira. BBR-Brazilian Business Review. v.12, n.3, pp. 17-44, mai./jun.

Mendes, D. P, Queiroz, R. K. F., Andrade, R. D. de, & Tahin, E. F. (2018). Alianças estratégicas e redes de associativismo em pequenos mercados varejistas. Revista Navus, v.8, n.1, pp. 88-101, jan./mar.

Moraes, C. A., Souza, S. S., Costa, A. C. F. & Cosentino, H. M. (2011). Configuração e cultura organizacinal, cooperação e inovação: análise de um modelo de equações estruturais em empresas fabricantes de equipamentos medicos. RECADM – Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 10, n. 1, pp. 111-127, mai.

Morgan, R. M., & Hunt, S. (1994). The Commitment-Trust Theory of Relationship Marketing. Journal of Marketing; v.58, n.3, pp. 20-38, jul.

Nagano, M. S., Stefanovitz, J. P., & Vick, T. E. (2014). Caracterização de processos e desafios de empresas industriais brasileiras na gestão da inovação. Revista Brasileira de Gestão e Negócios, v.16, n.51, pp. 163-179.

Nisiyama, E. K., & Oyadomari, J. C. T. (2012) A Busca da Inovação e a Cadeia de Valores. Revista de Administração da UNIMEP, v.10, n.1, pp. 189-214, jan./abr.

Nohria, N, & Eccles, R. (1992). Networks and Organizations. Boston: Harvard Business School.

Noveli, M., & Segatto, A. P. (2012). Processo de cooperação universidade-empresa para a inovação tecnológica em um parque tecnológico: Evidências empíricas e proposição de um modelo conceitual. Revista de Administração e Inovação, v.9, n.1, pp. 81-105, jan./mar.

Olave, M. E. L., & Amato, J. Neto. (2001). Redes de Cooperação Produtiva: Uma Estratégia de Competitividade e Sobrevivência para Pequenas e Médias Empresas. Gestão & Produção, v.8, n.3, pp. 289-303, dez.

Oliveira, S. M., & Alves, J. L. (2014). Influência das práticas de inovação aberta na prospecção de conhecimentos para a criação de valor em ambientes de alta complexidade sob condições de incerteza e imprevisibilidade. Revista de Administração e Inovação, v.11, n.1, p.295-318, jan./mar.

Pavitt, K. (1984). Sectoral patterns of technical change: Towards a taxonomy and theory. Research Policy, v.13, n.6, pp. 343-373.

Pereira, V. S., & Zilber, M. A. (2017). Vantagem Competitiva por meio da Inovação em Empresas Incubadas em um Parque Tecnológico. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v.16, n.1, pp. 65-94.

Powell, W., & Grodal, S. (2005). Networks of innovators. In FAGERBERGER, J.; MOWERY, D.; NELSON, R. The Oxford handbook of innovation, Oxford: Oxford Press, Cap.3, pp. 56-85.

Rimoli, C. A., Noronha, L. E. P., & Serralvo, F. A. (2013). Aspectos de inovação e de redes que afetam a imagem da marca: O caso Harley-Davidson e Buell. REAd- Revista de Administração de Empresas, v.75, n.2, pp. 401-432, mai./ago.

Schmidt, S., Balestrin, A., Engelman, R., & Bohnenberger, M. C. (2016). The influence of innovation environments in R&D results. RAUSP-Revista de Administração, v.51, n.4, pp. 397–408, out./dez.

Schumpeter, J. (1997). O Fenômeno Fundamental do Desenvolvimento Econômico. In Schumpeter, J. A Teoria do Desenvolvimento Econômico: Uma Investigação sobre Lucros, Capital, Crédito, Juro e o Ciclo Econômico. São Paulo: Nova Cultural, Cap.2, pp.66-99.

Silva, H. C. H., Binotto, E., & Vilpoux, O. F. (2016). Cooperação e Compartilhamento de Informação entre os Atores Sociais em um Assentamento Rural. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v.6, n.1, pp. 89-108, jan./jun.

Sousa, A. R. de, Brito, M. J. de, Silva, P. J., & Araujo, U. P. (2015). Cooperação no APL de Santa Rita do Sapucaí. RAM- REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO DO MACKENZIE, v.16, n.1, pp. 157-187, jan./fev.

Souza, A. C. A. A. de, Moura, A. A. F. de, Cabral, A. C. A., Santos, S. M. dos, & Pessoa, M. N. M. (2013). Fatores Contingenciais Relevantes em uma Empresa Incubada: Enfrentamento de Desafios a Partir da Inovação. GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v.11, n.3, pp. 69-82.

Tecchio, E. L., Melo, P. A. de, Nunes, T. S., & Tosta, H. T. (2013). Cooperação universidade-segmento empresarial: a realidade da Universidade Federal de Santa Catarina. Desenvolvimento em Questão, v.11, n.22, pp. 173-207.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Editora Atlas.

Tu, C, Hwang, S., & Wong, J. (2014). How does cooperation affect innovation in micro-enterprises? Management Decision, v. 52, n. 8, pp. 1390-1409.

Vásquez-urriago, A., Barge-Gil, A., & Rico, A. (2012). Science and Technology Parks and Cooperation for Innovation: Empirical evidence from Spain. Munich Personal RePEc Archive – MPRA. Paper n.39572, 10 Jul.

Vanhaverbeke, W., & Chesbrough, H. (2014). A Classification of Open Innovation and Open Business Models. In CHESBROUGH, H., VANHAVERBEKE W. e WEST, J. (eds.), New Frontiers in Open Innovation, Oxford: Oxford University Press, pp. 50-70.

Wegner, D., Maciel, A. C., Malafaia, G. C., Camargo, M. E., & Maciel, J. M. C. (2011). Capital Social e a Construção da Confiança em Redes de Cooperação: Mudando Padrões de Relacionamentos na Pecuária de Corte. Revista de Administração Imed – RAIMED, v.1, n.1, pp. 72-96, dez.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. Ed. Porto Alegre: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Horizontes Interdisciplinares da Gestão

INDEXADORES:

Google Scholar: https://scholar.google.com.br/citations?hl=pt-BR&user=JVvUhPQAAAAJ